Redes Sociais

REDE NEWS 360

Palavra Pastoral

As migalhas da mesa

Tenho a absoluta certeza de que você nunca precisou comer das migalhas de comida que caíram de alguma mesa. Então, dê graças a Deus por isso. Em minha casa só quem come das migalhas que caem da mesa são uns gatos que a minha filha cuida com muito denodo. Mas você sabia que a Bíblia conta que setenta reis comiam das migalhas que caíam da mesa de outro rei?

Há na Bíblia um rei cananeu muito mau, cujo nome é Adoni-Bezeque, que no hebraico significa senhor de Bezeque. Pois bem, este rei era tão cruel com os seus inimigos, que ao vencê-los, mandava decepar os polegares das mãos e dos dedões dos pés de todos eles. Em seguida, só para humilhá-los ainda mais, obrigava-os a viverem juntando os alimentos sob a sua mesa. Note que não era sobre a mesa e sim sob a mesa.

Imagine a dificuldade de alguém ajuntar para comer as migalhas de alimentos do chão, sem os polegares! É muito difícil. Porém, esses setenta reis ou apanhavam as migalhas, ou, então, morreriam de fome!

O livro dos Juízes registra que numa luta entre as tribos invasoras de Israel e o exército desse cruel rei cananeu, ele levou a pior. Em meio ao combate Adoni-Bezeque fugiu, mas foi capturado. A Bíblia registra assim: “Porém Adoni-Bezeque fugiu: e o seguiram, e o prenderam, e lhe cortaram os dedos polegares das mãos e dos pés” (Jz 1.6). Isto é, os israelitas aplicaram em Adoni-Bezeque, a “lei de talião”.

É digno de nota o registro de suas palavras, logo que esse teve os seus polegares decepados: “Então disse Adoni-Bezeque: Setenta reis, com os dedos polegares das mãos e dos pés cortados, apanhavam as migalhas debaixo da minha mesa: assim como eu fiz, assim Deus me pagou” (Jz 1.7a). Em seguida Adoni-Bezeque foi levado para Jerusalém, onde morreu devido aos ferimentos que recebeu.

Mas, avançando agora lá para o Novo Testamento, verificamos que uma mulher cananéia, que talvez até conhecesse a história de Adoni-Bezeque, que também era cananeu, veio até Jesus, clamando: “Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada” (Mt 15.22b). Observe que esta mulher reconheceu que Jesus era um digno herdeiro do trono, pois ela disse: “filho de Davi”.

Contudo, devido essa mulher cananéia ter adorado a Jesus e ter implorado por Seu socorro, Ele respondeu: “Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos” (Mt 15.26). E olha que Jesus foi muito educado com ela ao chamar os cananeus de “cachorrinhos”! Ele usou um eufemismo, que é uma figura de linguagem, que tratar com brandura alguma coisa. Porém era corriqueiro qualquer judeu chamar os cananeus de Cachorros.

Daí, tendo essa mulher escutado que, preferencialmente, Jesus veio para atender aos israelitas, ela respondeu com muita fé, dizendo: “Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores” (Mt 15.27). Ou seja, ela cria que até uma “migalha” do poder de Jesus seria suficiente para curar a sua filha.

Então Jesus recompensou a fé dessa mulher ao elogiar a sua fé nEle. Isso ficou assim escrito: “Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher! grande é a tua fé: seja isso feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã” (Mt 15.28).

Amados irmãos, fiquem certo que: Satanás, o arquiinimigo de Deus, tem “decepado” as mãos e os corações dos homens (cf. Gl 5.19-21) para impedir que esses não entendam e nem se aproximem da verdadeira comida espiritual, Jesus Cristo. Entretanto, nós que somos parte da Igreja do Senhor, temos a responsabilidade de darmos dessa comida para eles. E não poderemos dar migalhas, porque se assim fizermos, eles terão apenas um conhecimento superficial da pessoa e obra do Senhor Jesus. É como dizia certo irmão: “temos de dar tutano para eles”.

Se cada um de nós tem a missão de convidar os pecadores à mesa (a Igreja), deixá-los ali bem assentados, o mínimo que eles poderão exigir de nós, é que a “comida” (que é a Palavra) que iremos servi-los, é que essa seja bem saborosa. Chega de migalhas!

Comentários

comentário(s)

Mais em Palavra Pastoral

Subir