Redes Sociais

REDE NEWS 360

Palavra Pastoral

O sal que adoçou

Certo dia quando fui adoçar um café para eu tomar, ao invés de pôr açúcar coloquei sal. É que me confundi com os depósitos. Lá em casa eles são muito parecidos. O pior é que só percebi a diferença quando pus na boca o salgado café. Pense numa coisa ruim, tomar café com sal! Se você nunca passou por isso dê graças a Deus! Jamais atribuo a culpa ao sal e sim a minha desatenção, pois o sal cumpriu bem o seu papel que é salgar.

Bem, já que estamos falando em sal, conheço um caso na Bíblia que mostra que o cloreto de sódio ao invés de salgar, adoçou. Você já leu sobre esse caso? Fique tranquilo que não estou me referindo a Mateus 5.13, o texto que anuncia: “Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens”. Não, não é este sal que me refiro nesse momento!

O caso do sal que adoçou aconteceu quando o profeta Eliseu tomou conhecimento que a água de uma cidade não era boa para se tomar. Aflitos, os homens disseram ao profeta: “Eis que boa é a habitação desta cidade, como o meu senhor vê; porém as águas são más, e a terra é estéril” (2Rs 2.19 – AC). A reação foi pedir que lhe trouxessem um prato contendo sal: “Trazei-me uma salva nova, e ponde nela sal” (2Rs 2.20 – AC). Podemos imaginar que algum dos homens poderia ter pensado assim: “É, acho que hoje o profeta Eliseu vai querer comer muito ovo de galinha no almoço”.  Bem, se alguém pensou isso se enganou!

Assim que os homens trouxeram à presença do profeta Eliseu, o prato abarrotado de sal, a Bíblia assim noticia: “Então saiu ele ao manancial das águas, e deitou sal nele; e disse: Assim diz o Senhor: Sararei a estas águas; não haverá mais nelas morte nem esterilidade. Ficaram pois sãs aquelas águas até ao dia de hoje, conforme à palavra que Eliseu tinha dito (2Rs 2.21,22 – AC). Ou seja, aquelas água tornaram-se portáveis. Aquela água foi dessalinizada com sal. O caso parece paradoxal, mas é aí que entrar a fé. É claro que isto foi mais um milagre que o Senhor Deus operou.

É possível que uma pessoa cética ao ler este texto poderá pensar: “O sal não adoçou a água, apenas eliminou o sal que ela continha”. Aí eu pergunto: “Você já experimentou tomar uma água salobra?” Tem água que é tão salgada que nem os animais a suportam beber. Quando viajei por algumas comunidades dos municípios do Rio Grande do Norte, nas missões do Exército, e pedia um pouco de água para tomar, as pessoas dizem logo assim: “pode tomar que a água doce”. Ou seja, eles estavam me dizendo que a água deles não é salobra.

Irmãos, em nossa vida de “crentes em Jesus” precisamos urgentemente e, diariamente, do “sal espiritual”. Podemos entender que esse sal que me refiro pode ser: uma vida de comunhão, de santidade, de uma constante leitura da Palavra de Deus, de oração, de rejeição ao pecado.

Quando Jesus disse: […] tende sal em vós mesmos […] (Mc 9.50 – AC), Ele estava recomendando estas coisas acima e outras também. Observe que foram os homens da cidade que procuraram o profeta a fim de relatarem o problema daquela água intragável, imprópria para o consumo humano. Da mesma forma, em pleno século vinte e um, os homens estão carentes de algo que venha matar a sede deles, pois a “água do mundo” é nociva ao espírito deles.

Os homens estão matando uns aos outros e morrendo também! Aliás, como dizia certo pensador: “Os homens não morrem, eles se matam”. Contudo, nós que conhecemos o Senhor Jesus Cristo, temos o dever de anunciar o Evangelho. Portanto, tenha o Sal de Cristo em sua vida sendo mais um evangelizador. Deus conta contigo e com o teu testemunho. Saia do “saleiro”!

Comentários

comentário(s)

Mais em Palavra Pastoral

Subir