Redes Sociais

REDE NEWS 360

Palavra Pastoral

Rachadores de lenha

Quando criança, lembro-me de ter visto pessoas rachando madeiras para pô-las no fogão à lenha. Vi muitos pedaços de madeira voar pelos ares devido à força cortante de uma boa machadada. Às vezes, quando o lenhador era esmerado no manejo do machado, com um só golpe ele dividia troncos e mais troncos ao meio. Foi aí que percebi que ser um rachador de lenha era um negócio meio arriscado. É arriscado porque mesmo que o rachador seja uma pessoa bem adestrada no manejo do machado, um acidente, seja por descuido, ou não, poderá ser fatal.

É possível acontecer do cabo se soltar e o machado atingir mortalmente a alguém. Inclusive, sendo possível isso acontecer, a Lei alertou acerca desta possibilidade: […] aquele que entrar com o seu próximo no bosque para cortar lenha e, pondo força na sua mão com o machado para cortar a árvore, o ferro saltar do cabo e ferir o seu próximo de sorte que venha a morrer; o tal se acolherá a uma dessas cidades, e viverá (Dt 19.5 – AC).

Na verdade, ser rachador de lenha não era tarefa para qualquer um. Nenhum israelita desejava esta função. Por isso, o trabalho de rachador de lenha foi adotado como uma espécie de castigo que os israelitas aplicaram aos povos por eles dominados. Certa feita, tendo os israelitas descoberto que foram enganados pelos gibeonitas, como punição, disseram-lhes: “Vivam, e sejam rachadores de lenha e tiradores de água para toda a congregação […] (Js 9.21 – AC).

O próprio Josué, homem de Deus, concordou com esta sentença imposta aos gibeonitas, pois assim está escrito: “E Josué os chamou, e falou-lhes dizendo: Por que nos enganastes, dizendo: Mui longe de vós habitamos, morando vós no meio de nós? Agora pois sereis malditos: e dentre vós não deixará de haver servos, nem rachadores de lenha, nem tiradores de água, para a casa do meu Deus” (Js 9.22,23 – AC).

Mais à frente, outra passagem diz: “E, naquele dia, Josué os deu como rachadores de lenha, e tiradores de água para a congregação e para o altar do Senhor até ao dia de hoje, no lugar que escolhesse” (Js 9.27 – AC). Bem, nesta função, os gibeonitas passaram muito tempo servindo aos israelitas.

Queridos irmãos: a tarefa de rachador de lenha não foi muito valorizada pelos israelitas. Contudo, se não fosse o serviço do rachador de lenha, como o fogo do altar do Senhor seria aceso? E, depois de aceso, como mantê-lo sem a lenha? Lembre-se que Provérbios 26.20, diz: “Sem lenha, o fogo se apagará”.  Sabe o que representa hoje a “lenha” em nossa vida espiritual? O Espírito Santo! Ora, se o altar do tabernáculo precisava da lenha para haver o fogo, nós precisamos do Espírito Santo para manter à nossa vida no Altar de Deus, pois a promessa enfatiza: “… ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo” (Mt 3.11b – AC). Tenha muita “lenha” em seu altar!

Comentários

comentário(s)

Mais em Palavra Pastoral

Subir