Redes Sociais

REDE NEWS 360

O que você escolheria?

Palavra Pastoral

O que você escolheria?

Se Deus chegasse bem diante de você e lhe dissesse: “Escolha uma passagem do Antigo Testamento para que você possa contemplá-la agora!” O que você escolheria? Seria ver Abraão levantar o cutelo para imolar Isaque, o seu filho? Seria ver as cidades de Sodoma e de Gomorra serem destruídas com enxofre e fogo? Ou você acha que não, pois poderia correr o risco de ser transformado numa estátua de sal? Por acaso não seria ver o Mar Vermelho se abrindo para ver Israel passar a pé enxuto? O que você pediria para Deus lhe mostrar?

Bem, se Deus me desse a chance da escolha, eu não escolheria a nenhuma dessas opções. Mas eu escolheria ver o carro de fogo levando o profeta Elias, naquela carruagem que o levou para o céu, conduzida por aquele redemoinho (cf. 2Rs 2.11,12). E, tenho uma explicação para esse meu pedido! A razão é bem simples. Eu não escolheria ver Abraão levantando a mão para sacrificar a Isaque, porque este sacrifício, que, aliás, não aconteceu, era imperfeito.

Perfeito mesmo foi o sacrifício do Cordeiro de Deus: “Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós” (1Co 5.7b). Eu não escolheria ver a destruição daquelas duas cidades pecadoras, porque Deus até proibiu que alguém olhasse a destruição delas: “Escapa-te por tua vida; não olhes para trás de ti” (Gn 19.17b). Eu também não escolheria ver o Mar Vermelho aberto, porque ele serviu apenas para Israel passar e isso não será mais necessário ser repetido.

Agora, eu escolheria ver o profeta Elias sendo levado para o céu, porque eu e você precisamos nos acostumar com isso! Sim, o Céu, a morada de Deus, nos aguarda (cf. Jo 14.2,3). Imagine aí o profeta Elias subindo ao encontro do Senhor? Com certeza o “profeta de fogo”, na medida em que subia naquela gloriosa carruagem de Deus, que alegria ele não deve ter sentido? Creio que ele foi dando glórias e aleluias até chegar lá!

Porém, há uma grande diferença entre o arrebatamento de Elias e o da Igreja do Senhor. A principal, é que enquanto a subida de Elias foi gradual, visível, a nossa subida aos céus será rapidíssima. A Bíblia diz: “Num momento, num abrir e fechar de olhos […] seremos transformados” (1Co 15.52). E diz mais: “… seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor” (1Ts 4.17)”.

Irmãos, o arrebatamento de Elias foi apenas “um ensaio” daquilo que acontecerá com a Igreja! E, do mesmo modo como Elias, depois teve que voltar juntamente com Moisés para estar com Cristo naquela Sua transfiguração (cf. Mt 19.2,3; Mc 9.2-4; Lc 9.29-31), assim também voltaremos com Ele, Cristo: “E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro” (Ap 19.14). Porque na primeira vez, Ele virá para os seus, mas na segunda vez, Ele virá com os seus! Escolha a Jesus Cristo para subir aos céus com a sua Igreja!

Comentários

comentário(s)

Mais em Palavra Pastoral

Subir