Redes Sociais

REDE NEWS 360

Articulação do PSDC é lenta e “engessa” pré-candidatura de Clorisa Linhares

Pinga Fogo

Articulação do PSDC é lenta e “engessa” pré-candidatura de Clorisa Linhares

Dizem os analistas políticos de plantão, e as pesquisas de intenção de voto confirmam, que uma grande parcela do povo potiguar não quer votar em políticos tradicionais nas eleições desse ano. Enquanto isso, novos nomes tem se apresentado, seja para a disputa pelo Governo do Estado, Assembleia Legislativa, Senado ou Câmara Federal. Mas o que também observamos, e isso é contraditório, é que mesmo diante da tendência de se apostar no novo, maioria dos novos nomes que até o momento se apresentaram não empolgaram.

A exemplo disso cito a vereadora de Grossos e pré-candidata ao Governo do Estado pelo PSDC Clorisa Linhares, a qual tem percorrido o Rio Grande do Norte, levando consigo um discurso coeso, esse discurso tem sido apresentado em reuniões e através dos mais diversos veículos de comunicação do estado, mas, infelizmente, até o momento não recebeu 2% das intenções de voto em nenhuma das pesquisas já realizadas e divulgadas.

Diante de situações como a da pré-candidata Clorisa Linhares, que acabam desestimulando a entrada de muitas pessoas com perfis interessantes na política, muito se fala em preconceito do eleitorado para com nomes que não tem origem nas famílias tradicionais da política, tampouco são megaempresários detedores de grande poderio econômico.

Não vou aqui ser hipócrita e negar a existência de tal preconceito. Pelo contrário, venho até acrescentar que nomes como Clorisa Linhares tem sido vítimas de uma imprensa marrom, comprometida não com o desenvolvimento do nosso estado e bem-estar da população, mas sim com interesses particulares dos próprios veículos e de velhas oligarquias políticas, que costumam nortear o comportamento da mídia oferecendo-a benefícios individuais a cada veículo.

É de se lamentar que pessoas com o perfil de Clorisa Linhares, a qual preenche todos os requisitos necessários para ter a oportunidade de governar nosso estado, não consigam ascender politicamente de forma que tenham uma real perspectiva de lograrem êxito no pleito. No entanto, os chamados (pejorativamente) de partidos nanicos, os quais geralmente abrigam essas pré-candidaturas, precisam perceber que esses “pecam de morte” em suas articulações. Por exemplo, onde está sendo feito o trabalho de base do PSDC no Rio Grande do Norte com foco nas candidaturas a deputado estadual e federal? Francamente não vejo.

Como Clorisa Linhares pretende chegar ao Governo do Estado e o Dr. Joanilson de Paula Rêgo ao Senado Federal, se esses não tem construída uma base política sólida?

Fundado há mais de duas décadas, o PSDC está em menos de 50% dos municípios potiguares. O partido possui mais de duas dezenas de vereadores, no entanto, praticamente não tem havido comunicação entre eles sobre as pré-candidaturas de Clorisa e de Dr. Joanilson para o pleito desse ano. Em Mossoró, o partido tem o professor Josué Moreira disposto a disputar uma vaga na Câmara Federal. Em Caicó, tem o vereador e presidente da FECAM, Odair Diniz, com o mesmo propósito, além de tantas outras novas lideranças com desejo de disputar vagas na Assembleia Legislativa. E qual tem sido a postura da liderança estadual do partido em relação a esse quadro de lideranças, que se bem trabalhadas poderiam fortalecer significativamente tanto o projeto de Clorisa quanto o de Dr. Joanilson? Indiferente.

É dessa forma que o PSDC quer engajamento de suas lideranças diversas e atrair outros partidos para uma futura coligação? É dessa forma que querem governar o Rio Grande do Norte, sem demonstrarem capacidade para porem ordem na própria casa? Com a palavra a liderança estadual do PSDC.

Foto: Reprodução

Comentários

comentário(s)

Profissional de mídias eletrônicas, do rádio e da comunicação impressa desde 2005.

Mais em Pinga Fogo

Subir