Redes Sociais

REDE NEWS 360

MPC pede que TCE proíba saque de aplicações do Funfirn em bancos

Finanças Públicas

MPC pede que TCE proíba saque de aplicações do Funfirn em bancos

Após o governador Robinson Faria (PSD) ter sancionado a lei aprovada pela Assembleia Legislativa na última quinta-feira, 18, que autorizava o Governo do Estado a utilizar os recursos do Fundo Previdenciário (Funfirn) para pagamentos de benefícios previdenciários aos segurados do Regime Próprio de Previdência Social, o Ministério Público do Contas, através do procurador Ricart César Coelho, recomendou ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) que o mesmo proíba as instituições bancárias (Banco do Brasil e Caixa) de movimentarem os recursos.

A recomendação do órgão fiscalizador se embasa no acórdão nº 354/2017, do Tribunal de Contas do Estado, que determinou, ainda no ano passado, a proibição imediata de novos saques de recursos oriundos do extinto Fundo Previdenciário pelo Governo do Rio Grande do Norte. Caso a Corte de contas não siga a recomendação do Ministério Público, Ricart destacou, na representação encaminhada nesta sexta-feira, 19, ao Tribunal, que o acórdão citado se tornará ineficaz diante de todo o processo.

“O requerimento para o bloqueio de movimentação nas aplicações evita a desconsideração do Acórdão desse Tribunal de Contas, fato que, acaso concretizado, além de ferir a atribuição constitucionalmente conferida às Cortes de Contas estaduais, também consistiria em possível lesão ao erário público do Estado mais uma vez, em razão, principalmente, da existência de possíveis multas a serem aplicadas no caso de retirada dos valores antes do vencimento das aplicações”, afirmou o procurador.

Em tabela anexada na representação encaminhada ao TCE, Ricart Coelho destacou 11 aplicações existentes no Fundo, das quais sete delas são de previdência com renda fixa (juntas, totalizam R$ 225,2 milhões), uma de aplicações imobiliárias (R$ 17,5 milhões), uma de ações (R$ 15 milhões) e outras duas que estão na Caixa Econômica (juntas, totalizam quase R$ 10 milhões). No geral, as instituições bancárias estão em posse de R$ 273,1 milhões e, para o MPC, devem ser impedidas de repassar os valores ao Poder Executivo.

Clique AQUI e confira o inteiro teor da representação do MPC ao TCE.

Agora RN
Foto: Divulgação

Comentários

comentário(s)

Sistema Rede News 360 de Comunicação - Mossoró/RN

Mais em Finanças Públicas

Subir