Redes Sociais

REDE NEWS 360

Robinson focará no interior para viabilizar reeleição

Pinga Fogo

Robinson focará no interior para viabilizar reeleição

Empolgado com a recepção calorosa que obteve da população caraubense na segunda-feira (05), o governador Robinson Faria (PSD) traçou sua estratégia para buscar a reeleição: focar no interior do Estado, explorar a estrutura do governo através de programas já em execução e buscar novas parcerias com prefeituras. Essa informação veio de pessoa de “coturno alto” da capital potiguar.

Segundo a fonte, a leitura que o governador fez para chegar a conclusão de que essa seria a melhor estratégia, foi a seguinte: No ambiente ainda pacato do interior potiguar, os efeitos do caos instalado na Segurança e na Saúde Pública seriam consideravelmente inferiores aos que sofrem a população que vive nas regiões periféricas da capital e das cidades polos. Ou seja, assistir reportagens na TV, acompanhar o noticiário online, onde são retratadas a situação de violência nas ruas das grandes cidades e a de superlotação nos corredores de hospitais como o Walfredo Gurgel (Natal) e o Tarcísio Maia (Mossoró), seria bem diferente de vivenciar na pele. Desta forma, o governador acredita que seria mais fácil a reaproximação e o diálogo com a população interiorana. Neste entendimento, os sucessivos atrasos no pagamento dos salários dos servidores estaduais ficam como terceiro fator responsável pela baixa popularidade de Robinson Faria.

Descer ao interior potiguar com a leitura acima, apostando na desinformação e na indiferença da população interiorana em relação ao caos que assola a capital e as grandes cidades, para medir o poder de barganha de um governador junto à prefeituras em dificuldades financeiras e uma população carente, a qual ainda se alegra e se envaidece com a presença de uma figura política de nível estadual ou federal em seu meio. Esse é o último trunfo na manga de Robinson Faria.

Ainda segundo a fonte, o governador está bastante otimista diante de sua estratégia montada e do cenário político atual, o qual ele acredita que lhe favorece devido a vários fatores, como por exemplo:

Desunião ou acordão? – Eis o dilema para os que fazem oposição a Robinson e pretendem disputar o governo do estado. Se de forma individual – sem a máquina pública e sem um mega poder econômica pessoal – dificilmente alguém conseguirá se viabilizar e vencer a disputa, a história dos acordões no Rio Grande do Norte é marcada por amargas derrotas. A última foi a do hoje preso Henrique Eduardo Alves (MDB), em 2014.

Quem tem maior poder de barganha? – Seja junto aos prefeitos ou a população, entre os que estão postos como pré-candidatos ao governo do estado, quem têm mais a oferecer do que o atual governador? Fátima Bezerra (PT), que atualmente lidera as pesquisas, é senadora de oposição ao governo Temer, de forma que definitivamente não tem com que barganhar. Até mesmo para os aliados de Temer, com mandato federal, a coisa está preta. Em 28 de fevereiro encerrou-se o prazo para destinação de emendas parlamentares aos municípios. Desta forma, Em um eventual acordão em torno do nome de Carlos Eduardo Alves (PDT), os senadores Garibaldi Alves (MDB), José Agripino (DEM) e os deputados Walter Alves (MDB), Felipe Maia (DEM), dentre outros, já gastaram seus “cartuchos”.

Então é isso. O governador Robinson Faria (PSD) vai focar no interior e acredita na viabilidade de sua reeleição, pois, em sua leitura, no interior será mais fácil conquistar apoios, especialmente de prefeitos. Acredita que tem mais a oferecer individualmente do que seus adversários e que um novo acordão em torno do prefeito da capital, Carlos Eduardo Alves, que diga-se de passagem é um “estrangeiro” perante os interioranos, não logrará êxito.

Façam suas apostas.

Comentários

comentário(s)

Profissional de mídias eletrônicas, do rádio e da comunicação impressa desde 2005.

Mais em Pinga Fogo

Subir