Redes Sociais

REDE NEWS 360

Todos os detalhes da prisão de Lula

Expresso Nacional

Todos os detalhes da prisão de Lula

Após autorização do TRF4, o juiz Sérgio Moro despachou a execução da pena do ex-presidente Lula. Veja agora os detalhes desde a condenação até as reações terroristas nas ruas.

O julgamento

No dia 12 de julho de 2017, o Juiz Sérgio Moro condenou Lula a 9 anos e 6 meses de prisão pelo caso do triplex do Guarujá que ele recebeu como propina da Oderbrecht.

A defesa do Lula recorreu a segunda instância, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região com sede em Porto Alegre, que negou o recurso, por unanimidade, da defesa do Lula e aumentou a pena para 12 anos e 1 mês de prisão no dia 24 de janeiro de 2018.

Em seguida a defesa do Lula entrou com os embargos declaratórios. Paralelamente, entrou com o habeas corpus preventivo no STJ alegando ilegalidade que um condenado em segunda instância não poderia começar a cumprir a pena imediatamente, somente após o trânsito em julgado. A corte negou por unanimidade.

A defesa do Lula entrou com o mesmo habeas corpus no STF questionando a legalidade do ato.

Em um verdadeiro teatro, o STF primeiro votou se poderia julgar ou não o habeas corpus do Lula. Ao final, já tarde, o ministro Marco Aurélio alegou que não poderia participar do julgamento do HC, pois estava de viagem marcada. Inclusive mostrou as passagens. Pediu que a sessão fosse remarcada para a próxima quarta-feira, 04 de abril. Assim solicitado. Contudo em mais uma manobra, a defesa do Lula entrou com pedido liminar solicitando que Lula não fosse preso antes do julgamento do habeas corpus no dia 4 de abril. Foi concedido. Lula que poderia ser preso no dia seguinte, ganhou uma sobrevida de mais uma semana.

Chegado o dia 04 de abril, o STF começou a julgar o habeas corpus do Lula. Apesar dos ministros Gilmar Mendes e Marco Aurélio, por exemplo, sustentarem que a pena não deveria ser executada a partir da condenação em segunda instância, a ministra Rosa Weber, que era o grande vota decisivo, seguiu a jurisprudência da Corte que a pena pode ser executada a partir da condenação em segunda instância.

O STF nega o habeas corpus de Lula por 6 votos a 5.

A prisão

No dia 05 de abril de 2018, o TRF4 autoriza o juiz Sérgio Moro a decretar prisão do ex-presidente Lula.

Às 18h05 do dia 5 de abril de 2018, o juiz Sérgio Moro determina que Lula seja preso, contudo possibilita ao ex-presidente que ele se entregue voluntariamente na sede da Polícia Federal em Curitiba até o dia 06 de abril às 17h.

     * Leia a íntegra do despacho do Juiz Moro que determina prisão de Lula

As reações

Em seguida a determinação da prisão de Lula, aliados e pelegos terroristas reagem negativamente e antidemocraticamente.

O primeiro deles foi o ministro Marco Aurélio Melo que disse que na próxima quarta-feira irá colocar no plenário o pedido liminar dos advogados do PEN para revisar a execução da pena a partir da condenação em segunda instância

Em frente ao Instituto Lula, o senador Lindeberg Farias, discutindo com um manifestante anti-Lula, um outro militante pró-Lula chuta esse manifestante o fazendo acidenta-se contra um caminhão.

Em Natal, membros de uma gangue ateiam fogo em pneus na BR 101 na altura do supermercado Carrefour.

O canal Terça Livre noticiou que a cúpula da CNBB se reuniu em café da manhã com senadores petistas e outros aliados para tratar a respeito da prisão do Lula

A imprensa noticia que o Lula não irá se entregar. O que pode gerar uma caçada contra o bandido condenado.

Comentários

comentário(s)

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Expresso Nacional

Subir