Redes Sociais

RN 360º

Azul assina acordo para comprar a Avianca Brasil por R$ 406 milhões

Transporte Aéreo

Azul assina acordo para comprar a Avianca Brasil por R$ 406 milhões

Três meses depois de entrar em recuperação judicial, a Avianca Brasil assinou nesta segunda-feira (11) um acordo para vender uma parte significativa da empresa para a concorrente Azul.

O acordo envolve a venda de 30 aeronaves, 70 slots (autorização de pousos e decolagens) e certificado de operador aéreo por US$ 105 milhões (R$ 406 milhões). Os ativos ficarão reunidos sob uma estrutura conhecida como UPI (Unidade Produtiva Isolada), fazendo com que a dívida não seja assumida pela Azul.

A transação começa com um investimento prévio, que mantém viva a Avianca Brasil até que a UPI seja de fato vendida. Enquanto isso, a empresa pode usar o recurso para manter a operação, pagando combustível, salários e parcelas dos arrendamentos de aviões, que foi o estopim da crise.

A quantidade de ativos no pacote pode sofrer alterações, segundo a Avianca, que ressalva se tratar ainda de uma intenção de compra.

Segundo a Azul, a operação passará por um processo que pode durar três meses.

“O acordo é não vinculante, e o processo de aquisição da UPI está sujeito a condições como um processo de diligência e aprovação de órgãos reguladores e credores, assim como a conclusão do processo de recuperação judicial”, afirmou a Azul.

No pacote, a compra dos slots nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos tem sido tratada por executivos da Azul como a chave do negócio, uma evolução que a colocará em condição de disputar a ponte aérea com as gigantes Gol e Latam.

Nesse mercado, a Azul ainda tem menor força porque lhe faltam slots nos principais aeroportos do país.

Atualmente, a Azul, que é a terceira maior empresa aérea brasileira, tem 5% dos slots diários de Congonhas, patamar que seria impulsionado pelos quase 8% da Avianca Brasil, apesar de ainda distante de Latam e Gol, que dividem 80% dos slots no terminal.

Mas o porte da Azul, turbinada pelos ativos da Avianca, fica respeitável, segundo executivos das outras companhias aéreas.

Em termos de participação de mercado doméstico, Azul e Avianca Brasil somadas se equiparam à fatia da Latam, que tem pouco mais de 30%.

Há cerca de dez anos, a Azul se posicionou no mercado doméstico como a empresa que batalharia pela liderança na aviação regional, com o maior número de cidades atendidas e sem ambição de disputar trechos mais concorridos, como São Paulo a Brasília ou ao Rio. Estabeleceu seu centro de operações no aeroporto de Campinas, e dali cresceu até superar cem destinos.

Nos últimos anos, avançou em destinos internacionais como Lisboa e Flórida e agora terá a chance de disputar clientes da ponte aérea.

O plano da Azul é absorver pilotos e comissários da Avianca para operar os aviões.

Há senso de urgência porque a operação da Avianca já sofre com a falta de caixa. Na semana passada, ela atrasou salários e teve de interromper um voo para Miami por falta de pagamento de uma taxa de sobrevoo do espaço aéreo de Cuba.

Para o especialista no setor Guilherme Amaral, do escritório ASBZ, a competição pode se acirrar, beneficiando preço de passagem. “Pode não ser ruim para o passageiro. Se o negócio for adiante, ficarão três competidores de força equilibrada. Antes, Gol e Latam disputavam o passageiro com maior vantagem.”

*Via Folha de S. Paulo / Foto: Amanda Perobelli/UOL

Comentários

comentário(s)

RN 360º - Seu portal de notícias.

Mais em Transporte Aéreo

Subir