Redes Sociais

RN 360º

Gol decide suspender uso do modelo 737 MAX 8 após acidente na Etiópia

Transporte Aéreo

Gol decide suspender uso do modelo 737 MAX 8 após acidente na Etiópia

A companhia aérea Gol anunciou nesta segunda-feira (11) que suspendeu temporariamente o uso do modelo 737 MAX 8, da Boeing, após dois acidentes com aeronaves do mesmo modelo. A empresa mantém sete aeronaves 737 MAX 8 que operam em rotas para os Estados Unidos, América do Sul e Caribe, preferencialmente. A suspensão começou a valer às 20h desta segunda.

No domingo (10), a queda de um avião da Ethiopian Airlines deixou 157 mortos e foi o segundo acidente em 5 meses envolvendo um 737 MAX 8, que é a versão mais recente do avião comercial mais vendido no mundo. No fim de outubro de 2018, 189 pessoas morreram em um voo da indonésia Lion Air.

Ao longo da segunda-feira, os pilotos que estavam escalados para operar o 737 MAX 8 foram comunicados de que seriam transferidos para voos de outras aeronaves, segundo apurou o G1. A companhia também suspendeu a venda de voos que utilizariam o modelo – eles sairiam de Brasília e Fortaleza e iriam até Miami e Orlando.

A Gol informou que os clientes com viagens previstas nas aeronaves 737 Max 8 serão comunicados e reacomodados em voos da empresa ou de outras companhias aéreas.

“A central também permanece à disposição pelo telefone 0800 704 0465. A empresa continuará operando os destinos internacionais de longo curso com os aviões Boeing 737 NG, sem previsão de cancelamento na malha”, afirmou a companhia aérea.

A empresa afirma que, desde junho de 2018, já realizou 2.933 voos com o Boeing 737 Max 8, “totalizando mais de 12.700 horas, com total segurança e eficiência”.

Antes de informar que iria suspender o uso do modelo, a Gol divulgou uma nota na qual afirmava estar acompanhando as investigações e que mantinha “contato próximo com a Boeing para esclarecimentos”.

As autoridades de aviação da China e da Indonésia também ordenaram na segunda que as companhias aéreas suspendessem a utilização dos aviões.

A Ethiopian Airlines, Cayman Airways (das Ilhas Cayman), Comair (África do Sul) e Royal Air Maroc (Marrocos) anunciaram que também interromperam a utilização desse modelo após o acidente.

Segundo a Boeing, 350 aeronaves do modelo são operadas por cerca de 50 empresas no mundo.

*Via G1 / Foto: Reprodução

Comentários

comentário(s)

RN 360º - Seu portal de notícias.

Mais em Transporte Aéreo

Subir