Redes Sociais

Na Venezuela, sistema educacional entra em falência e alunos desmaiam de fome nas escolas

Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / NYT

Mundo

Na Venezuela, sistema educacional entra em falência e alunos desmaiam de fome nas escolas

BOCA DE UCHIRE, Venezuela — Centenas de crianças lotaram o pátio de uma escola na Venezuela para rezar, junto com um bispo católico, por sua educação. Quinze minutos depois, quando o religioso terminou sua reza, cinco crianças haviam desmaiado. Duas delas precisaram ser removidas do local em ambulâncias.

— Não é possível educar pessoas esqueléticas e famintas — disse Maira Marín, professora e líder sindical da cidade.

Professores carregam uma estudante que desmaiou na Escola Augusto D’Aubeterre, em Boca de Uchire, Venezuela: muitos alunos chegam para a aula sem ter tomado café ou jantado na noite anterior Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

Professores carregam uma estudante que desmaiou na Escola Augusto D’Aubeterre, em Boca de Uchire, Venezuela: muitos alunos chegam para a aula sem ter tomado café ou jantado na noite anterior Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

A devastadora crise econômica que toma conta da Venezuela há seis anos está afetando o sistema educacional do país. Outrora, a educação pública era a menina dos olhos dos venezuelanos e fazia com que o país tivesse uma das maiores mobilidades sociais da América Latina. Em um passado não tão longínquo, até mesmo crianças de áreas remotas tinham boas chances de ingressar nas melhores universidades do país.

A fome é apenas um dos vários problemas que as atrapalham neste momento. Milhões de venezuelanos abandonaram o país nos últimos anos, desfalcando o número de professores e estudantes. Muitos dos educadores que continuam na Venezuela se viram forçados a mudar de profissão, pois seus salários tornaram-se praticamente sem valor após anos de hiperinflação. Escolas que antes tinham milhares de alunos hoje têm menos de cem.

O colapso do sistema educacional do país não está apenas condenando uma geração inteira à pobreza, mas arrisca também fazer retroceder em décadas o desenvolvimento e reduzir severamente o potencial de crescimento, afirmam especialistas e professores.

— Uma geração inteira está ficando para trás — disse Luis Bravo, que pesquisa educação na Universidade Central da Venezuela, em Caracas. — O sistema educacional de hoje não permite que as crianças se tornem membros relevantes da sociedade.

Alunos pegam frutas numa árvore da Escola Augusto D’Aubeterre: crise econômica atinge educação Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

Alunos pegam frutas numa árvore da Escola Augusto D’Aubeterre: crise econômica atinge educação Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

O governo de Nicolás Maduro parou de divulgar suas estatísticas educacionais em 2014, mas visitas a mais de dez escolas em cinco estados, além de entrevistas com dezenas de pais e professores, indicam que o comparecimento à escola despencou neste ano. Muitos centros de ensino também estão fechando suas portas.

A situação é uma grande vergonha para o autoproclamado governo socialista, que há muitos anos prega a inclusão social. A situação contrasta com a de outros países nos quais dirigentes venezuelanos sempre disseram se inspirar — Cuba e Rússia. Tanto Moscou quanto Havana foram capazes de proteger seu ensino básico e os alunos durante os piores momentos das crises econômicas que enfrentaram nos anos 1990.

O comparecimento à escola começou a reduzir logo após Maduro chegar ao poder, em 2013. A queda no preço do principal produto de exportação da Venezuela, o petróleo, combinado aos fracassados esforços do governo para controlar o custo de vida fizeram com que a economia local ingressasse em uma recessão da qual ainda não conseguiu sair.

Algumas crianças venezuelanas estão ficando em casa porque muitas escolas pararam de fornecer refeições ou porque seus pais não podem mais arcar com os custos de uniformes, materiais escolares ou até mesmo com a passagem do ônibus. Outras se juntaram a seus pais em uma das maiores crises imigratórias recentes: segundo a ONU, cerca de quatro milhões de pessoas já abandonaram o país desde 2015.

De acordo com o sindicato nacional dos professores, milhares dos 550 mil educadores venezuelanos não compareceram às escolas em setembro, quando o ano letivo atual teve início. Eles abriram mão de seu salário mensal de US$ 8 (cerca de R$ 33,92) para tentar a sorte no exterior ou em minas ilegais de ouro , algo em ascensão no país.

No estado de Zulia, o mais populoso da Venezuela, cerca de 60% dos 65 mil professores abandonaram a profissão nos últimos anos, segundo estimativas do dirigente do sindicato local de professores, Alexander Castro:

— Eles nos dizem que preferem trabalhar pintando unhas por alguns dólares a trabalhar por um salário mínimo — disse Castro.

Para que as escolas continuem funcionando, os professores que permanecem geralmente ensinam todas as matérias ou juntam, em uma mesma sala, alunos de séries diferentes. Quase todas as 12 escolas visitadas reduziram suas jornadas de funcionamento. Algumas delas abrem apenas um ou dois dias na semana.

Crianças pedem peixe a um pescador em Boca de Uchire, Venezuela: muitas deixaram a escola para ajudar os pais na pesca ou em plantações Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

Crianças pedem peixe a um pescador em Boca de Uchire, Venezuela: muitas deixaram a escola para ajudar os pais na pesca ou em plantações Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

No vilarejo de Parmana, no centro do país, apenas quatro dos 150 alunos matriculados foram à escola em outubro. De idades variadas, os estudantes se sentavam na mesma sala sem eletricidade, praticando assuntos diversos desde o alfabeto até álgebra, ensinados por um único professor que buscava encorajá-los com um sorriso abatido.

O restante das crianças da região se juntou aos seus pais na agricultura e nos barcos de pesca para ajudar a alimentar suas famílias.

Recentemente, em Maracaibo, segunda maior cidade do país, um letreiro na fachada de uma escola sem eletricidade dizia: “Por favor, venham às aulas, mesmo sem uniformes”. Na entrada, as crianças perguntam aos professores se há comida antes de decidirem se irão ou não assistir às aulas.

Os banheiros da maior escola da cidade nem sequer funcionam mais. Projetada para atender a 3 mil alunos, hoje o centro de ensino tem apenas 100.

Em Santa Bárbara, subúrbio de Caracas, metade dos professores de uma escola não voltou às aulas em setembro. O diretor se viu forçado a convocar pais voluntários para que os alunos pudessem continuar a ter aulas. No outro lado da capital, em Rio Chico, metade das classes estão vazias por falta de estudantes e educadores. Quando os alunos chegam, perguntam primeiro sobre a merendeira, disseram os professores restantes.

Bananeiras foram plantadas no local do ginásio da Escola Bolivariana Augusto D’Aubeterre, em Boca de Uchire, Venezuela: muitas perguntam se vai ter merenda, antes de decidirem assistir às aulas Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

Bananeiras foram plantadas no local do ginásio da Escola Bolivariana Augusto D’Aubeterre, em Boca de Uchire, Venezuela: muitas perguntam se vai ter merenda, antes de decidirem assistir às aulas Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ / Adriana Loureiro Fernandez/The New York Times

O mentor e predecessor de Nicolás Maduro, Hugo Chávez, fez da expansão da educação pública um dos pilares de seu “socialismo do século XXI”. De 2003 a 2013, o país registrou melhorias significativas no número de alunos matriculados devido às generosas refeições, distribuição de comida, materiais e dinheiro para pais e crianças. Centenas de escolas foram construídas nesse período.

As medidas populistas de Chávez, no entanto, focavam mais na quantidade de estudantes que na qualidade de sua educação. Conforme os cofres públicos se esvaziavam, seu programa educacional foi por água abaixo.

Mesmo frente à queda no comparecimento, Maduro continuou a afirma que seu governo estava focado nos gastos com a educação, apesar da “brutal guerra comercial” realizada por seus inimigos.

— Na Venezuela, nem sequer uma escola fechou ou irá fechar. Nenhuma sala de aula — disse o presidente, em um discurso televisionado em abril. — Nós nunca negaremos acesso à educação.

Para aumentar o número de professores, Maduro prometeu, em agosto, enviar milhares de integrantes do partido governista para as salas de aula. Especialistas em educação, no entanto, disseram que poucos desses militantes adicionarão algum valor pedagógico ou serão, de fato, enviados às escolas.

Professores venezuelanos pedem aumento de salário diante do Ministério da Educação, em Caracas: muitos deixaram o país ou mudaram de profissão Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ/The New York Times

Professores venezuelanos pedem aumento de salário diante do Ministério da Educação, em Caracas: muitos deixaram o país ou mudaram de profissão Foto: ADRIANA LOUREIRO FERNANDEZ/The New York Times

Ao mesmo tempo, o número de professores de verdade está diminuindo. A quantidade de graduados no principal centro de treinamento de professores do país, a Universidade Pedagógica Experimental Libertador, caiu 70% entre 2014 e 2018.

Ao, na prática, dolarizar a economia venezuelana, Maduro permitiu neste ano que muitos funcionários públicos conseguissem uma renda extra ao cobrar em dólares por seus serviços. Isso, no entanto, trouxe poucos benefícios para os professores da rede pública de ensino em lugares mais pobres, onde as famílias de alunos têm pouco acesso a moedas estrangeiras.

Em Boca de Uchire, a família Caruto parou de mandar suas crianças para a escola quando o refeitório não funciona.

— Eu não posso enviá-los para a escola com fome — disse José Luis Caruto, que está desempregado e é pai de duas crianças.

Sua irmã, Yuxi, de 17 anos, foi a última da família a parar de frequentar a escola, já que não conseguia arcar com os custos da passagem de ônibus. Ela tentou retomar seus estudos em um centro comunitário local, mas os professores pararam de aparecer na segunda semana de aula. Agora, ela passa os dias cuidando do filho de 1 ano.

— Eu quero aprender matemática, saber ler e escrever rapidamente. Eu tenho medo de não saber respoder quando o meu filho crescer e começar a fazer perguntas. Agora, no entanto, nós nem temos o que comer — disse Yuxi.

*Via O Globo 

Comentários

comentário(s)

RN 360º - Seu portal de notícias.

Mais em Mundo

Subir