Redes Sociais

Vídeo mostra todos os incêndios florestais no mundo em 2019

Meio Ambiente

Vídeo mostra todos os incêndios florestais no mundo em 2019

Projeto europeu aponta que mais de 6 mil megatoneladas de dióxido de carbono foram lançadas na atmosfera ao longo do ano.

O Programa Copernicus, mantido pela União Europeia, produziu um vídeo que mostra todos os incêndios florestais que aconteceram em 2019 ao redor do planeta. Os dados das queimadas foram reunidos pelo Serviço de Monitoramento de Atmosfera Copernicus (CAMS), organizado pelo Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Alcance. 

Pesquisadores afirmaram que o objetivo do vídeo é conscientizar governos e empresas para que os incêndios sejam evitados. “Ao longo do ano, observamos atentamente a intensidade dos incêndios e a fumaça que eles emitem em todo o mundo e, às vezes, experimentamos algumas atividades bastante excepcionais”, disse Mark Parrington, cientista do CAMS. “Mesmo em lugares onde esperaríamos ver incêndios em determinadas épocas do ano, parte da atividade foi surpreendente.”

As chamas emitem gases de efeito estufa no ar e, ao mesmo tempo, reduzem o número de árvores e vegetação capazes de absorver dióxido de carbono (CO2). Do início de 2019 até o final de novembro, o CAMS estima que 6.375 megatoneladas de CO2 foram lançadas na atmosfera.

Entre o final de outubro e começo de novembro, aconteceram incêndios na Califórnia, nos Estados Unidos. Na mesma época, queimadas na Austrália deixaram o ar de cidades, como Sydney, em um nível de poluição considerado perigoso. Além disso, as chamas devastaram o habitat natural de coalas, animal nativo do país.

Em agosto, a Amazônia ficou em chamas: dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que 39.177 focos de calor atingiram a região naquele mês.

Em 2019 também aconteceram queimadas no Ártico – o que, segundo especialistas do CAMS, é um sinal do aquecimento global. Houve incêndios ​​na Síria, na Indonésia e em Alberta, no Canadá, onde a emissão de fumaça foi tanta, que ela viajou pelo Oceano Atlântico até a Europa.

“Embora a atividade de incêndios tenha sido razoavelmente dentro da média para 2019, em comparação com os anos anteriores, houve vários casos de atividade intensa incomum em certas regiões, o que foi devastador”, afirmou Parrington.

*Via Galileu

Comentários

comentário(s)

RN 360º - Seu portal de notícias.

Mais em Meio Ambiente

Subir