domingo, março 7, 2021

Cúpula do Ministério da Saúde prevê até 3 mil mortes diárias por covid-19 em março

A cúpula do Ministério da Saúde espera que o Brasil atravesse nas próximas duas semanas o pior momento da pandemia. O Valor apurou que,...
More

    Últimas Notícias

    Em entrevista ao RN360, Lawrence Amorim fala dos seus desafios à frente da Câmara Municipal de Mossoró

    Em vias de completar 1 mês como Presidente da Câmara Municipal de Mossoró, o vereador Lawrence Amorim (SDD) conversou com o portal REDE NEWS 360. Falou sobre o atual funcionamento da Casa, de alterações a serem feitas, dificuldades financeiras a serem administradas, da gestão Allyson Bezerra e de outros assuntos importantes. Leia abaixo.

    REDE NEWS 360 – Presidente, para o início da nossa conversa, gostaria que resumisse suas atribuições à frente da Câmara Municipal de Mossoró e o papel do vereador.

    Lawrence Amorim – Nossa missão, como presidente da Câmara, é administrar a Casa e fazer com que ela funcione, seja produtiva. Fui eleito pelos colegas vereadores para presidi-la e administrá-la. Então estaremos à frente do poder Legislativo municipal pelos próximos dois anos com essa missão e a cumpriremos com diálogo, transparência e muita seriedade. O vereador tem um papel fundamental na sociedade. É o fiscal do povo, aquele que faz os requerimentos, legisla, cria as regras que são tidas dentro dos municípios para que os cidadãos possam viver nas neles. Tem o papel de fiscalizar o Poder Executivo, está propondo, requerendo e, mais próximo da população, vigilante.

    RN – Próximo de completar um mês na presidência da CMM, já dá pra fornecer um raio-x da situação em que ela se encontra?

    LA – A CMM se encontra de forma organizada. Mas terá um ano de 2021 difícil, em face da queda do duodécimo. O município deixou de ter a obrigação de passar 6% e repassará apenas 5% durante este ano. E isso gera uma queda no índice de arrecadação, em torno de R$ 300 mil/mês. Então a Câmara vai passar por momentos de dificuldades financeiras e teremos de enxugar parcerias, contratos, diminuir as despesas e buscar administrá-la com os recursos que existem sem comprometer o seu funcionamento.

    RN – Pretende fazer alterações, mudanças no andamento dos trabalhos da Casa do povo?

    LA – Nesse momento estamos sim fazendo algumas alterações, mudanças, adaptando a Casa que agora conta com 2 vereadores a mais que na legislatura passada. Como também mudança em seu quadro de funcionários. Estamos diminuindo a quantidade de cargos e valores de salários para adequar a Casa a essa nova realidade, com a diminuição da receita por causa da queda no repasse do duodécimo. Essas são as alterações que a gente fez. Mas que não vão prejudicar o funcionamento. Esperamos ter um ano bastante produtivo no Legislativo mossoroense.

    RN – Quando começa o período legislativo de 2021? Projetos que possam gerar polêmica já em pauta?

    LA – No dia 9 de fevereiro. Iremos iniciar com a Leitura da Mensagem Anual do prefeito, o Chefe do Poder Executivo e teremos alguns projetos que deverão entrar em pauta logo no início da legislatura. São projetos inclusive enviados pelo Executivo. Fala-se em reforma administrativa, nos ajustes que deverão passar pela Câmara Municipal e, alguns de atenção ao cidadão, como o da Gestão Democrática na direção das escolas. Além de outros que deverão voltar a serem discutidos e podem gerar um bom debate. Nós estaremos discutindo, debatendo, à exaustão. Obviamente, dentro do campo democrático, respeitando a maioria dos votos. Estaremos discutindo projetos que sejam importantes para Mossoró. E a gente visa brevemente colocar em pauta o Plano Revisor. Buscar atualizá-lo porque está defasado.

    RN – O projeto Câmara Itinerante, o Sr. tem a intenção de reeditá-lo? A partir de quando? É entendido que a pandemia não deixa de ser um embaraço. Comente.

    LA – É um projeto muito importante, que aproxima os vereadores da população. Vamos estar ouvindo as demandas. É interessante e eu tenho vontade de voltar a vê-lo funcionar na cidade de Mossoró. Nós temos hoje uma dificuldade com relação ao orçamento, na parte financeira, devido o problema com o duodécimo, mas estaremos analisando com carinho esse projeto, pela sua importância. Ele pode levar alguns serviços aos bairros de Mossoró.

    RN – A TV Câmara, equipamento importante onde a população acompanha as sessões e obtém outras informações, atualmente tem funcionado em canal fechado. Pretende colocá-la em canal aberto?

    LA – Ela pertence à Fundação Aldenor Nogueira. É um equipamento muito importante. Transmite as sessões, faz matérias com os vereadores e também com o executivo. Aliás atua com os mais diversos segmentos da cidade. E por isto vamos sim, buscar, em breve, conseguir um sinal aberto para que a população, através da TV Câmara acompanhe o trabalho dos vereadores e o funcionamento da Casa legislativa.

    RN – Observamos a FECAM, entidade representativa dos vereadores atuando de certa forma, acanhada. O que você pensa sobre isso?

    LA – Eu acredito que a Federação das Câmaras Municipais poderia ter uma atuação mais forte nas pequenas cidades do interior do Estado, haja vista que, atualmente, muitos presidentes de Câmaras sequer têm acesso à federação. Penso que deveria ter um trabalho mais forte, investir na capacitação, principalmente no setor de prestação de contas e outros setores em que os presidentes têm dificuldades, principalmente quando terminam seus mandatos, no biênio, e passam a ter que lidar com diversos questionamentos do Tribunal de Contas e demais órgãos de controle. E a federação deveria sim estar atuando mais próxima dessas pessoas, tirando dúvidas, dando suporte aos presidentes destas cidades que são maioria no nosso Estado.

    RN – O que esperarmos do Legislativo mossoroense nesse primeiro biênio com o sr. presidindo os trabalhos?

    LA – O que eu espero é que a gente tenha um ambiente harmônico, produtivo. Que as picuinhas políticas não atrapalhem o funcionamento da Casa. E que a gente possa estar discutindo de verdade, projetos importantes para Mossoró e ela possa ter desenvolvimento. Destravando a cidade para que ela receba desenvolvimento, investimento, gere emprego e renda. É isso que esperamos muito dessa legislatura. E de minha parte, como presidente da Câmara Municipal de Mossoró, estarei sempre dialogando com os colegas, buscando que a gente possa estar discutindo temas para nossa cidade, que é muito rica, e o desenvolvimento venha para dentro dela. E a gente possa recuperar, por exemplo, os postos de trabalho que foram perdidos nos últimos anos. Portanto, a gente espera muito fazer um bom trabalho e estar junto com todos os vereadores discutindo projetos e pensando no bem da coletividade.

    RN – Suas impressões sobre os primeiros dias da gestão Allyson Bezerra e o que espera dela para os próximos 4 anos?

    LA – O prefeito Allyson tem colocado um ritmo acelerado de trabalho nesses primeiros dias de mandato. Montou uma boa equipe de secretários, auxiliares, e teve a oportunidade de fazer isso devido ter ganho uma campanha sem muitos compromissos políticos. Então, montou uma grande equipe e tem uma vontade muito grande de fazer por Mossoró. A gente vê os dois lados, tanto o do prefeito como o dos secretários. E eu acredito muito numa boa gestão, que nós vamos conseguir tirar Mossoró do atraso em que se encontra. Uma cidade que a gestão pública não investia em modernidade, tecnologia. Que era administrada como se estivesse na década de 90. Então eu espero muito que o prefeito Allyson tenha discernimento e que possa fazer um grande trabalho por Mossoró, porque essa cidade merece e precisa voltar a triunfar como uma grande cidade pólo, importante no nosso Rio Grande do Norte e no Nordeste.

    Últimas Notícias

    Veja Também