sexta-feira, janeiro 15, 2021

Médico prevê EUA com 3 mil mortes diárias por Covid: ‘Um 11 de setembro por dia’

Com constantes recordes de hospitalizações, casos e mortes diárias, os Estados Unidos se aproximam de 3 mil mortes diárias pela Covid-19. O recente aumento nas...
More

    Últimas Notícias

    Governo e prefeituras discutem imunização contra Covid-19 no RN; estado prevê chegada de vacinas até dia 31 de janeiro

    Encontro foi realizado entre a manhã e a tarde desta sexta-feira (8) e apresentou plano de imunização no estado.

    Uma reunião realizada na manhã desta sexta-feira (8) entre o governo e prefeitos e secretários de saúde dos municípios do Rio Grande do Norte discutiu o plano de operacionalização para imunização contra a Covid-19. Na reunião, a governadora Fátima Bezerra (PT), afirmou que a previsão é que o estado receba as primeiras doses para a aplicação da primeira fase até 31 de janeiro.

    A vacinação no estado, porém, depende do envio dos imunizantes por parte do Ministério da Saúde, distribuídos dentro do plano nacional de imunização. De acordo com o governo, o estado vem adquirindo e organizando o estoque já existente de seringas. O Ministério da Saúde assinou o contrato na noite desta quinta feira (7) de 46 milhões de doses da vacina Coronavac do Butantan, sendo 8 milhões ainda na primeira fase da vacinação. O pedido de uso emergencial foi apresentado à Anvisa nesta sexta (8).

    De acordo com o governo, o Rio Grande do Norte possui em estoque 900 mil seringas em estoque e está em fase de aquisição mais dois milhões, segundo o governo. O material em estoque deverá ser usado na primeira fase da vacinação e o restante nas outras fases.

    “Até o final desse mês as vacinas começarão a ser distribuídas para os estados. O Rio Grande do Norte foi o primeiro a fazer seu plano estadual”, afirmou Fátima.

    Governo e gestores municipais discutem vacinação contra Covid-19 no Rio Grande do Norte. — Foto: Anna Alyne Cunha/Inter TV Cabugi

    A aplicação das vacinas será de responsabilidade dos municípios, porém o recebimento e a distribuição entre as cidades ficará sob responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde.

    Ainda de acordo com o governo, o estado conta com um ultrafreezer, sete câmaras frias de mil litros, além de 18 câmaras frias de 1000l – três para cada uma das seis regionais de saúde. No Centro de Referência em Imunobiológicos Especiais são duas câmaras frias de mil litros, uma câmara fria de 340 a 400 litros, além de 28 Câmaras frias de 340 a 400 litros distribuídas em quatro municípios, além de oito câmaras frias de mil litros. Em parceria com a UFRN, são sete ultrafreezer para armazenamento das vacinas.

    Na reunião, o secretário Estadual de Saúde, Cipriano Maia, destacou que o Estado depende da autorização da Anvisa para organizar o cronograma, porém já existem as fases estabelecidas. Para a primeira fase no RN, está prevista a aplicação de 239.636 doses da vacina, sendo 79.638 em profissionais de saúde, 133.621 em idosos com 75 anos ou mais, 2.000 doses para idosos em instituições e abrigos, 2.447 em indígenas e 18.310 para os quilombolas.

    Também estão nos grupos prioritários: população em situação de rua, pessoas com comorbidades (como diabetes mellitus; hipertensão arterial grave – difícil controle ou com lesão de órgão alvo; doença pulmonar obstrutiva crônica; doença renal; doenças cardiovasculares e cérebro vasculares), trabalhadores da educação, pessoas com deficiência permanente severa, membros das forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema de privação de liberdade, trabalhadores do transporte coletivo, transportadores rodoviários de carga, população privada de liberdade.

    Prefeito de Caicó, Judas Tadeu dos Santos, durante reunião sobre vacinação contra Covid-19 no RN. — Foto: Anna Alyne Cunha/Inter TV Cabugi
    Prefeito de Caicó, Judas Tadeu dos Santos, durante reunião sobre vacinação contra Covid-19 no RN. — Foto: Anna Alyne Cunha/Inter TV Cabugi

    “O apelo que eu faço é da presença do comitê científico nas regionais, para que a gente possa voltar fazer novos decretos, para que a população possa se conscientizar mais do controle da pandemia. A vacinação não interrompe a pandemia. É um passo para que a gente possa controlar a pandemia, mas as ações precisam ser continuadas, para conscientização da população, das medidas restritivas”, disse o prefeito de Caicó, Judas Tadeu dos Santos.

    “Nossa população está ansiosa para que essa vacinação comece. Não só em Macaíba, mas todos os municípios”, destacou o prefeito de Macaíba, Emídio Júnior.

    A presidente do conselho de secretários municipais de saúde, Maria Eliza Garcia, reforçou a importância dos municípios se prepararem para o início da vacinação.

    “Nós, os gestores de saúde municipais é quem vamos fazer essa execução. Cabe a nós todo o cuidado. A gente precisa realmente colocar esses profissionais de saúde como verdadeiros soldados nessa execução. A questão do transporte e da sala de vacina é muito importante”, pontuou a presidente do conselho dos secretários municipais de saúde Maria Eliza Garcia.

    Investimentos

    Em uma espécie de relatório aos municípios, o governo afirmou que foram investidos, até o momento, mais de R$ 201 milhões no enfrentamento a pandemia, entre financiamento e cofinanciamento para a estruturação de leitos de mais de 600 leitos críticos e clínicos em todas as regiões de saúde.

    Também foram investidos R$ 54,7milhões em contratação de pessoal, entre temporários, e concursados que foram convocados, totalizando 3.200 profissionais novos que atuam na linha de frente; além de R$ 72,1 milhões em insumos e reforma de unidades hospitalares.

    Mais de 350 mil pessoas já foram testadas no estado.

    Inquérito sorológico

    Outro ponto abordado durante a reunião foi o inquérito sorológico que tem início nesta sexta-feira (8) em todo o Estado e tem como objetivo mapear o comportamento da doença no RN.

    A Secretaria de Estado de Saúde Pública em parceria com o Instituto Amostragem do estado do Piauí tem como meta a elaboração de 24 mil entrevistas e exames. A pesquisa acontece em três etapas com intervalo de uma semana entre elas, sendo 2.300 domicílios aproximadamente em cada etapa.

    O inquérito tem o apoio do Comitê Científico instaurado desde o início da pandemia com pesquisadores da UFRN e do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O Cronograma está dividido em três ciclos nas seguintes datas: 1° ciclo: 8 a 10/01/2021, 2° ciclo: 15 a 17/01/2021 e 3° ciclo: 22 a 24/01/2021.

    G1-RN

    Últimas Notícias

    Veja Também