terça-feira, março 2, 2021

Sem ação, em duas semanas Brasil viverá cenário de guerra, dizem especialistas

“Vamos ter pessoas morrendo em casa ou morrendo na porta dos hospitais, porque não vamos ter onde interná-las. Vamos ter um cenário de guerra”,...
More

    Últimas Notícias

    Pacheco prevê pautar na próxima semana PEC que abre caminho para recriar auxílio emergencial

    Relator deve apresentar parecer até a próxima segunda; governo enviou texto ao Congresso em 2019. Auxílio não está condicionado à PEC, afirmou Pacheco após reunião com Lira e Guedes.

    O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta quinta-feira (18) que pretende pautar na próxima semana a votação da proposta de emenda à Constituição conhecida como PEC Emergencial. O texto contém medidas para equilibrar as contas públicas (veja detalhes abaixo).

    Segundo Pacheco, a PEC poderia funcionar como uma “sinalização positiva” de responsabilidade fiscal, no contexto dos debates da retomada do auxílio emergencial. O senador afirmou, no entanto, que o auxílio não está condicionado à aprovação da emenda constitucional.

    “O objetivo da reunião foi novamente nós tratarmos a respeito do encaminhamento do auxílio emergencial no Brasil e da contrapartida que nós estamos buscando fazer, não como condição para a implantação do auxilio emergencial, mas como uma sinalização positiva que o Senado e a Câmara têm responsabilidade fiscal”, declarou Pacheco a jornalistas.

    As declarações foram dadas após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

    Segundo o presidente do Senado e do Congresso Nacional, ficou acertado que o parecer da PEC Emergencial será apresentado pelo senador Marcio Bittar (MDB-AC) até a próxima segunda (22).

    Rodrigo Pacheco se reuniu na sequência com os líderes partidários do Senado. Ao fim, ficou decidido que a PEC deve ser votada na próxima quinta-feira (25), em sessão semipresencial. O anúncio não deixou claro se há acordo para quebrar os prazos e, com isso, concluir os dois turnos de votação em um único dia.

    Cláusula de calamidade

    O tema foi encaminhado pelo governo no fim de 2019, mas a tramitação esbarrou na pandemia e na falta de acordo sobre pontos-chave da proposta.

    O texto a ser debatido no Senado deve conter uma cláusula de calamidade que autorize o governo a pagar uma nova rodada de auxílio.

    O governo tem feito um pente-fino nos cadastros para diminuir o número de beneficiários e, com isso, reduzir o custo total do programa.

    “Essa aprovação pelo Senado permitirá, através de uma cláusula de orçamento de guerra, de uma cláusula de calamidade, que se possa ter a brecha necessária para implantar o auxilio emergencial no Brasil”, declarou Pacheco.

    Na semana passada, Pacheco e Lira já tinham se reunido com o ministro Paulo Guedes para tratar do tema. Na ocasião, afirmaram que o pagamento de um novo auxílio emergencial estaria condicionado à aprovação da PEC do Pacto Federativo, que incluiria a cláusula de calamidade.

    Na saída do encontro desta quinta, Arthur Lira disse a jornalistas que a lista de prioridades do Congresso é formada pelo auxílio emergencial, pelas vacinas contra a Covid-19, por temas ligados à pandemia e as PECs consideradas prioritárias pela área econômica. “Todos os outros assuntos são laterais”, afirmou.

    Nova rodada de auxílio emergencial

    Há semanas, Pacheco e Lira vêm pressionando o governo para que seja aprovada uma nova rodada do auxílio a trabalhadores que perderam renda na pandemia.

    Guedes e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, têm defendido que a volta do auxílio — que fará com que o governo aumente gastos em 2021— precisa ser acompanhada de redução de despesas públicas em outras áreas.

    Essa preocupação se deve ao fato de que, sem uma contrapartida, a nova rodada do auxílio contribuiria para aumentar ainda mais o rombo nas contas do governo e o endividamento público, o que pode levar a desconfianças entre os investidores e a dificuldades para que o governo financie sua dívida.

    O que diz a PEC?

    A PEC Emergencial foi enviada no fim de 2019 pela área econômica ao Congresso Nacional. Até o momento, porém, o relator da medida, senador Marcio Bittar (MDB-AC) não divulgou relatório para que o texto entre em votação.

    A proposta prevê a criação de um Conselho Fiscal da República, para avaliar a situação das contas públicas, além de criar o estado de emergência fiscal, durante o qual, além de proibição de reajuste aos servidores, poderia haver redução de jornada e de salário do funcionalismo.

    A área econômica tem defendido que também seja incorporada, na proposta, a criação de um estado de calamidade pública – que viabilizaria, neste ano, o pagamento do auxilio emergencial.

    Por se tratar de PEC, a proposta precisa ser aprovada em dois turnos de votação no Senado e outros dois turnos na Câmara, antes de ser promulgada e entrar em vigor.

    Quando for decretado o estado de calamidade, pela proposta, também seriam vetadas promoções de servidores (com exceções), criações de cargos, restruturação de carreiras, realização de concursos públicos e criação de verbas indenizatórias. Novos benefícios tributários também não poderiam ser criados e seriam suspensos repasses de recursos ao FAT e ao BNDES.

    G1

    Últimas Notícias

    Veja Também