quarta-feira, abril 14, 2021

Sem lockdown, chegaremos a 5 mil mortes diárias no fim de abril, diz pesquisador da Fiocruz

Coordenador do Observatório Covid-19 da Fiocruz, o professor Carlos Machado é um especialista em grandes desastres na área da saúde. Há mais de 20...
More

    Últimas Notícias

    Mourão, ministros do STF e deputados se dividem sobre golpe de 1964 nas redes

    O tema é um dos mais comentados no Twitter desde as primeiras horas do dia.

    O vice-presidente Hamilton Mourão e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fizeram publicações nas redes sociais, nesta 4ª feira (31.mar.2021), celebrando o aniversário de 57 anos do golpe que levou o Brasil à ditadura militar (1964-1985).

    O vice-presidente Hamilton Mourão (à esquerda), o ministro do STF Gilmar Mendes (centro) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) (à direita) se manifestaram sobre o golpe militar de 1964

    Sérgio Camargo, presidente da Fundação Cultural Palmares, órgão vinculado ao governo federal, e outros congressistas alinhados ao governo de Jair Bolsonaro também publicaram comentários elogiosos ao episódio que deu início a um regime ditatorial no país.

    Líderes da oposição, como os deputados Alessandro Molon (PSB-RJ) e Alexandre Padilha (PT-SP) e os candidatos à Presidência da República em 2018 Guilherme Boulos (Psol) e Ciro Gomes (PDT) criticaram a apologia ao episódio.

    O coro contra a apologia à ditadura foi reforçado por integrantes do STF (Supremo Tribunal Federal), como os ministros Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes, em publicações em suas contas no Twitter.

    O senador Veneziano Vital (MDB-PB) e o deputado Fábio Trad (PSD-MS), além de outros políticos de partidos ligados ao centro e à direita, também foram às redes sociais para publicar comentários contrários à ditadura.

    O tema é um dos mais comentados no Twitter desde as primeiras horas do dia. Às 11h40, dos 15 assuntos mais comentados na rede social, 10 eram relacionados ao golpe militar. As duas hashtags mais utilizadas apontam posições antagônicas: #DitaduraNuncaMais (128 mil tuítes) e #Viva31DeMarço (65,9 mil tuítes).

    Nessa 3ª feira (30.mar), o 1º ato do recém-empossado ministro da Defesa, Walter Braga Netto, foi publicar um comunicado dizendo que é preciso compreender o golpe de Estado de 1964 como um movimento que permitiu “pacificar o país”.

    A data exata do golpe é motivo de discordância entre historiadores e acadêmicos. Muitos deles argumentam que o golpe foi consumado em 1º de abril. A antecipação para 31 de março seria uma forma de apoiadores da ditadura desassociarem o episódio da data conhecida no Brasil como “Dia da Mentira”.

    Leia algumas das reações de políticos e personalidades:

    HAMILTON MOURÃO, VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA



    EDUARDO BOLSONARO, DEPUTADO (PSL-SP)



    CARLOS JORDY, DEPUTADO (PSL-RJ)



    SÉRGIO CAMARGO, PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO PALMARES



    ALESSANDRO MOLON, DEPUTADO (PSB-RJ)



    ALEXANDRE PADILHA, DEPUTADO (PT-SP)



    GUILHERME BOULOS (PSOL), COORDENADOR DO MTST (MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM TETO)



    CIRO GOMES (PDT), EX-MINISTRO E EX-GOVERNADOR DO CEARÁ



    FÁBIO TRAD DEPUTADO (PSD-MS)



    VENEZIANO VITAL, SENADOR (MDB-PB)



    GILMAR MENDES, MINISTRO DO STF



    LUÍS ROBERTO BARROSO, MINISTRO DO STF



    Poder 360

    Últimas Notícias

     


    Veja Também