terça-feira, outubro 26, 2021

Brasil terá terceira onda de Covid no inverno e 751 mil mortos até setembro se não acelerar vacinação, diz estudo

O Brasil registrou queda de 19% na média móvel de mortes por Covid-19 nas duas últimas semanas. Em 18 das 27 unidades de federação,...
More

    Últimas Notícias

    Sesap adia início da aplicação de dose de reforço em idosos no RN

    Sesap alega que doses não foram enviadas pelo Ministério da Saúde. Início estava previsto para esta quarta-feira (15) e não tem nova data definida.

    A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) adiou o início da aplicação da dose de reforço da vacina contra a Covid-19 no Rio Grande do Norte que estava previsto para esta quarta-feira (15).

    O reforço seria aplicado em pessoas a partir dos 70 anos de idade, de forma decrescente, começando com aquelas com mais de 99 anos e reduzindo a faixa etária com o passar dos dias.

    De acordo com a Sesap, o Ministério da Saúde não enviou doses suficientes para iniciar a aplicação dessa dose de reforço.

    “É importante ressaltar que a pactuação foi feita com base em uma orientação do Ministério da Saúde para que todos os estados pudessem iniciar a aplicação da D3 com os imunizantes de Astrazeneca/Fiocruz ou Pfizer. Há uma previsão sinalizada pelo Ministério de que as doses sejam entregues ao Rio Grande do Norte até a próxima sexta-feira (17)”, informou a Sesap.

    A partir do recebimento das doses a Sesap vai providenciar a distribuição para os municípios iniciarem a aplicação da dose de reforço em idosos com 70 anos ou mais. A data ainda não está definida.

    Dose de Reforço

    A dose de reforço é indicada para os idosos que completaram o esquema vacinal há mais de seis meses. No caso dos imunossuprimidos, eles devem esperar 28 dias após a segunda dose, para poder tomar o reforço.

    Após as pessoas com mais de 70 anos – grupo estimado em mais de 209 mil idosos – o governo também deverá aplicar dose de reforço nos pacientes imunossuprimidos, que são pouco menos de 4 mil. São pessoas que vivem com HIV/Aids e outras doenças, como as degenerativas.

    G1-RN

    Últimas Notícias

     


    Veja Também